Pular para o conteúdo principal

"Seja qual fosse" ou "fosse qual fosse"?

A segunda forma é a correta.
"Seja qual for" é expressão consagrada. Mas e se precisarmos usá-la no passado? Como fica: "seja qual fosse" ou "fosse qual fosse"?
A dúvida foi enviada à Academia Brasileira de Letras, pela seção ABL Responde, que esclareceu a questão da seguinte forma (com exemplos meus inseridos entre chaves):
Resposta : Telma, na construção "seja qual fosse" quebra-se o princípio de "correlação de tempos e modos verbais", que deve ser observado em frases como as citadas por você [Exemplos: "Seja qual fosse a dúvida, ele sempre teve a resposta na ponta da língua", "Fosse qual fosse a dúvida, ele sempre teve a resposta na ponta da língua".]. Se o primeiro verbo está no pretérito imperfeito do subjuntivo ("fosse"), deve-se manter o segundo também no imperfeito do mesmo modo verbal: "fosse qual fosse".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A todos ou à todos?

A primeira forma é a correta, sem crase. Relembrando, a crase marca a fusão do artigo “a(s)” com a preposição “a”. A palavra “todos” é um pronome indefinido plural e significa todo mundo, todas as pessoas. Como os pronomes não são acompanhados de artigos, aquele “a” que tem antes de “todos” é somente preposição, portanto, sem crase.

‘Idéia de girico’ ou ‘idéia de jerico’?

A segunda forma é a correta. Apesar de não se aproximar tanto da fala como “girico”, palavra inexistente na língua portuguesa, jerico significa asno, jumento. No entanto, na fala é usada principalmente com o sentido de tolo, imbecil, estúpido – e pode ser dito a pessoas e coisas. Exemplo: “Ele sempre tem idéias de jerico”.